Refinanciamento de Imóveis: o que você precisa saber

Advertisement

Precisando de uma grande soma em dinheiro? Independentemente do motivo, o refinanciamento de imóveis pode ser uma excelente alternativa.

O refinanciamento imobiliário é uma modalidade de empréstimo, mas pela falta de informação, muitas pessoas têm medo desse tipo de operação.

Se você é uma dessas pessoas, não se preocupe! Nosso artigo veio exatamente para esclarecer todo o assunto e acabar de vez com suas dúvidas.

O que é o refinanciamento de imóveis

O refinanciamento de imóveis é a alienação de um imóvel como garantia de crédito.

Alienar um imóvel significa transferir sua propriedade para a instituição financeira credora. Em outras palavras, você coloca o imóvel em nome do banco ou empresa até que se complete o pagamento de todas as parcelas do empréstimo.

Enquanto o contrato e o pagamento das parcelas estão vigentes, você continua usufruindo do imóvel normalmente, mesmo que ele esteja locado, por exemplo.

O refinanciamento de imóvel é uma modalidade de empréstimo que está regulamentada pela Lei 10.820/2003. Ou seja, é legalizado e traz muitas vantagens aos contratantes, como por exemplo, maior tempo para pagamento e taxas de juros menores. Além disso, o contratante não precisa justificar o motivo do empréstimo.

Confira a seguir, algumas vantagens de contratar o refinanciamento imobiliário.

Por que contratar o refinanciamento de imóvel?

Refinanciar o imóvel pode ser benéfico tanto para o banco como para o contratante. Isso porque nessa modalidade, valores mais altos podem ser contratados com segurança e em condições melhores do que na modalidade de empréstimo pessoal, por exemplo.

Veja as vantagens de refinanciar seu imóvel:

– Não há necessidade de justificar o motivo do empréstimo. Você pode usá-lo para qualquer finalidade.

– As taxas de juros são menores, geralmente a partir de 1,05% ao mês.

– O empréstimo é concedido a partir de R$ 30 mil.

– O prazo para pagamento varia entre 2 até 20 anos.

– Negativados também podem conseguir o refinanciamento de imóveis.

Embora o empréstimo seja facilitado aos negativados, em relação aos demais, vale ressaltar que é feita uma análise de crédito mais criteriosa.

E nesses casos, as instituições costumam aumentar as taxas de juros por causa do risco da inadimplência.

Como funciona o Refinanciamento imobiliário na prática

Para conseguir o empréstimo de refinanciamento de imóveis, você precisa ter um imóvel próprio em seu nome. É imprescindível que este imóvel esteja quitado em pelo menos 70% do valor total.

O imóvel também deve estar com todos os documentos regularizados, sem nenhuma pendência.

Dito isso, basta você escolher a instituição credora de sua preferência, acessar o site, realizar cadastro e efetivar uma simulação de refinanciamento de imóveis.

Para a simulação é necessário preencher um formulário online. Neste formulário deve constar o valor total do imóvel, os dados pessoais do proprietário e o valor desejado como empréstimo.

Após envio do formulário, a instituição financeira realiza análise de crédito e te notifica acerca da aprovação.

Caso o imóvel seja aprovado, a instituição marcará uma avaliação do imóvel com especialistas para averiguar se o valor do mesmo corresponde ao que consta no documento.

Somente depois de todas essas etapas o contrato é assinado e o empréstimo depositado na conta do solicitante.

É possível solicitar como empréstimo até 60% do valor do imóvel, com limite de R$ 5 milhões.

O que é necessário para refinanciar um imóvel?

Para a simulação do refinanciamento de imóvel é necessário apresentar aos bancos alguns documentos, como:

  • CPF e RG ou CNH do titular,
  • Comprovante de renda atualizado.
  • Comprovante de residência atualizado. É bom verificar junto à instituição credora quais os documentos considerados por ela como comprovante de residência.
  • Certidão de casamento ou união estável para casados e de nascimento, para solteiros.
  • Matrícula do imóvel atualizada. Lembre-se de que a matrícula é o que torna o imóvel reconhecido como existente na sociedade.
  • Caso se aplique: certidão negativa de débito de condomínios.
  • Documento do IPTU.
  • Escritura do imóvel devidamente regularizada.

Dá para refinanciar um imóvel não quitado?

Dá pra refinanciar o imóvel não quitado. Mas isso só é possível se o imóvel estiver quitado em até 70% do seu valor total.

Para casos de imóveis ainda não completamente quitados, o refinanciamento de imóvel com troco pode ser a melhor opção.

O refinanciamento de imóvel com troco é também conhecido como Home Equity ou ainda empréstimo com garantia de imóvel.

Nessa modalidade, o contratante consegue como empréstimo o restante para quitar o imóvel e mais um pouco como “troco”.

Por exemplo, caso o imóvel custe R$ 300 mil e o proprietário já tenha pago R$ 270 mil, o empréstimo concedido pode ser de R$ 50 mil. Isso significa que R$ 30 mil garantem a quitação do imóvel e, os outros R$ 20 mil, o solicitante pode usar da forma que achar melhor.

Tanto o Home Equity como o refinanciamento de imóvel já quitado funcionam da mesma maneira no que diz respeito à solicitação. Todos os processos são semelhantes, desde a simulação até a avaliação do imóvel e documentos solicitados.

Afinal de contas, quem pode refinanciar o imóvel?

O refinanciamento de imóvel pode ser solicitado por qualquer pessoa que tenha um imóvel próprio e esteja precisando de uma grande soma em mãos a curto prazo.

No entanto, essa modalidade de empréstimo costuma ser a melhor opção para aquela pessoa que possui uma dívida de longo prazo. Devido às menores taxas de juros e bom prazo de pagamento, o refinanciamento de imóvel permite que o cliente se livre dessas dívidas a longo prazo.

Além disso, dessa forma também é possível começar a se reorganizar financeiramente. Isso porque o pagamento será centralizado nas parcelas de um só empréstimo.

Passo a passo para fazer a simulação do refinanciamento de imóveis

A simulação de refinanciamento é encontrada nos sites de cada instituição financeira. Dessa forma, cada instituição possui um formulário próprio e personalizado.

Vale lembrar que a simulação é realizada sem compromisso algum e totalmente gratuita. Ela serve para que o cliente tenha uma estimativa de como será tomar emprestado o valor desejado.

Escolha a instituição financeira de sua preferência, acesse o site oficial e procure pela opção “Empréstimos”, em seguida, “Refinanciamento de Imóveis”.

A partir daí, basta preencher o formulário para que a simulação seja realizada.

Se você preencheu o formulário de simulação, desistiu de tomar o empréstimo, e o banco em seguida entrou em contato informando que você foi aprovado, fique tranquilo.

Você só estará comprometido com o empréstimo caso todas as etapas listadas acima sejam cumpridas e o contrato seja assinado. Somente a simulação não garante o empréstimo.

Será que vale mesmo a pena refinanciar o imóvel?

O refinanciamento de imóveis é uma das opções de empréstimo mais seguras e mais em conta.

Mas como todo e qualquer empréstimo só vale a pena ser contratado em caso de necessidade real. E só você poderá avaliar essa precisão.

Portanto, analise bem o motivo da tomada de empréstimo, se for o caso, converse com seu cônjuge ou demais familiares envolvidos sobre o impacto que essa decisão poderá causar no orçamento doméstico. E não se esqueça, sobretudo, de analisar pelas simulações se as parcelas cabem em seu bolso e se será possível manter certo controle financeiro, mesmo com o financiamento.

Antes de contratar o refinanciamento de imóveis, atenção!

Que o refinanciamento de imóveis é uma boa opção, já descobrimos que sim.

No entanto, assim como ocorre com qualquer contratação de empréstimo, é bom se atentar a alguns detalhes. Veja as dicas que separamos para você:

  • Avalie as finanças pessoais e também da família, se for o caso.
  • Faça o planejamento de todas as despesas. Isso é extremamente importante pois geralmente a pessoa tem ideia de que o empréstimo resolverá todos os problemas. Em partes é isso mesmo. No entanto, é necessário pensar que pelos próximos anos existirá uma dívida a ser paga e que exigirá planejamento para não impactar a sua vida financeira, gerando novas dívidas.
  • Para não passar aperto futuramente, defina o valor real a ser pego como empréstimo. Dependendo do valor, o refinanciamento do imóvel acaba não saindo em conta. É melhor tentar outras opções de empréstimo.
  • Atente-se ao prazo de pagamento e veja se realmente compensa para sua realidade.
  • Compare as taxas de juros de cada banco e escolha aquela que melhor se adapta ao seu bolso.
  • Fique atento para não cair em golpes. Pesquise sobre a reputação da instituição financeira a emprestar o dinheiro. Confirme se é credenciada e regulamentada pelo Banco Central e veja as opiniões dos clientes.
  • Por fim, leia atentamente o contrato. Caso tenha dúvidas, não se esqueça de que um advogado pode ser de grande valia para ajudar a entender todos os tópicos do contrato.

Agora você já está pronto para decidir se um refinanciamento de imóveis é o mais adequado para a sua necessidade.

Espero que este artigo tenha te ajudado e não se esqueça de deixar sua avaliação logo abaixo. Saiba que ao avaliar nosso trabalho, você contribui para que nossos conteúdos sejam cada vez mais relevantes e possam atingir mais pessoas.

Até a próxima!