Problemas financeiros que muitos brasileiros enfrentam: como mudar esta situação?

Advertisement

Advertisement

Hoje em dia falar em problemas financeiros já virou rotina, uma questão comum, todo mundo tem.

O que não pode ser trivial é o estresse, a dor de cabeça, sentir que tudo está desmoronando

Sem falar que a falta de dinheiro, o aperto que resulta no problema financeiro pode afetar demais, o nosso relacionamento afetivo, nossas relações sociais e, principalmente, nosso ambiente de trabalho.

Por essa razão, criamos este post, por que é preciso compreender de fato como a saúde financeira de todos pode nos impactar.

O número de famílias que se encontram com dívidas, inadimplentes chegou a cerca de 80% no final do ano de 2022.

Os dados foram divulgados pela Peic – Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo – CNC.

De acordo com informações do site Agência Brasil, a porcentagem de famílias inadimplentes era de 30,3% no final de 2022.

Apenas 10,9%, das famílias tiveram condições de pagar suas contas no ano de 2022.

Esse resultado pode ser por causa do atual momento da nossa economia? sim, mas essa não é a única razão.

Há outros fatores que contribuem fortemente para esse número tão expressivo.

3 problemas financeiros que impactam a nossa vida

1. Desemprego

Embora a taxa de desemprego tenha caído bastante, 15,6%, no segundo trimestre de 2022, número que representa 1,9 milhão de pessoas a menos que no ano de 2021, a substituição de mão de obra por máquinas, a baixa capacitação da população, são elementos que ainda assustam muito a população desempregada.

A crise do coronavírus foi também um dos os motivos que favoreceu a escassez de emprego.

Por isso, que as taxas de desemprego no Brasil sofrem consideráveis oscilações nesses últimos anos.

Observe o quadro:

Desemprego

  • Desempregados(desocupados)

9,5 milhões

3º trimestre 2022

  • Taxa de desemprego(desocupação)

8,7%

3º trimestre 2022

  • Desalentados

4,3 milhões

3º trimestre 2022

  • Taxa de subutilização

20,1%

3º trimestre 2022

2. Endividamento

Geralmente o endividamento ocorre quando surge o imprevisto, e não há como pagar, quando ocorre o desemprego ou quando se compra mais do que se pode pagar.

Para especialistas, as principais causas do endividamento são:

. aumento da inflação, e

. diminuição do poder de compra.

O ideal para que isso não ocorra é a gente criar o hábito de poupar “para os momentos mais difíceis”, como se dizia antigamente.

A reserva financeira deve acontecer quando estamos num bom momento, pois, qualquer imprevisto pode causar grandes problemas.

3. Inadimplência

Uma coisa leva a outra. Se há endividamento, certamente algumas contas ficarão para depois. Ou seja, a inadimplência acontece aí.

Sem querer ser repetitivos, vamos conhecer o que causa a inadimplência:

. aumento do desemprego,

. renda familiar em decréscimo,

. querer ajudar e fazer compras no próprio nome para amigos e familiares,

. muitas pessoas não sabem o que significa a educação financeira,

. ausência total de controle nos gastos,

. não saber ou não conseguir investir, ainda que ganhe muito bem,

. ter hábitos que não condizem com a realidade,

. salários atrasados,

. problemas de saúde,

. uso inadequado do cartão de crédito: se este é o seu problema:

cancele seus cartões de crédito,

diminua o limite de seu crédito,

tenha muita consciência financeira.

investimentos fracassados ou mal planejados,

excesso de consumo,

muitas opções por dívidas parceladas: isso geralmente ocorre porque:

há facilidade de consumo em excesso,

cria endividamento em longo prazo,

a mercadoria, na maioria das vezes, sai mais cara,

você paga mais caro,

não dá espaço para a organização financeira.

Vamos reverter esse quadro?

Como falamos no início, problemas financeiros podem nos afetar emocionalmente de várias formas, como

. o desconforto físico e emocional, como irritação, angústia por não conseguir satisfazer as suas necessidades básicas.

. estresse que é grande consequência dos problemas financeiras.

.  as relações interpessoais, a vontade de ficar isolado, sem vontade de sair, aliás nem dinheiro tem para isso. Em relação às pessoas próximas como os relacionamento afetivos, nossos filhos, certamente, sofrem com essa situação é uma experiência difícil.

. autoestima pequena: querendo ou não a comparação acontece e, ao ver pessoas bem, sem dívidas, provavelmente a vontade de ter condições para isso acontece.

. desalento emocional: emoções fortes em breves momentos do dia, sentir-se sobrecarregado, sem tempo para nada é resultado dos problemas financeiros.

Uma coisa é certa: problemas financeiros não são só causados por irresponsabilidade.

São vários fatores que deflagram essa situação. Além disso, os problemas variam de pessoa para pessoa. O que não pode acontecer é nos deixar levar por pensamentos nos momentos de crise.

Pensar positivamente já é o primeiro passo para resolver o problema.

Por isso, não podemos permitir que certas crenças e sentimentos tomem conta de nossos pensamentos.

O que não deve acontecer

Culpa: jamais devemos nos culpar quando as condições financeiras não são favoráveis,

Vergonha: o fato de estar em situação financeira ruim não pode ser motivo para alimentar esse sentimento,

Medo: nunca nos esconder. Encarar os problemas financeiros é sempre a melhor solução. Além disso, a busca por soluções para sanar as dívidas é um bom remédio.

O que é saúde financeira?

A saúde financeira está relacionada aos nossos hábitos e aos nossos comportamentos, ou seja, a forma com a qual lidamos com o dinheiro.

Para que possamos adquirir uma vida financeira relativamente saudável, é preciso ter sempre as finanças equilibradas.

Isso quer dizer que a cada mês vamos conseguir pagar todas as contas fixas como as esporádicas e as faturas integrais do cartão de crédito, que é o ponto nefrálgico da vida financeira.

Em decorrência, os gastos essenciais, despesas não essenciais e até os gastos inesperados poderão ser previstos.

A saúde financeira não tem nada a ver em ganhar muito ou pouco, é possível acontecer a todos.

Por isso que o controle financeiro deve ser adequado à realidade e às possibilidades de todos nós.

A verdade é que, quando estamos saudáveis financeiramente, o dinheiro passa a ser nosso aliado.

Querendo ou não é o nosso dinheiro, fruto do nosso trabalho que nos permite custear nossa vida, planejar viagens, ter saúde, presentear, aproveitar momentos de lazer e jamais nos sentir culpados pelos benefícios que o dinheiro nos traz e, sobretudo planejar com mais tranquilidade até na nossa aposentadoria.

Diferença entre saúde financeira e educação financeira

Saúde e educação financeira podem parecer a mesma coisa, mas não são.

Educação financeira: sermos educados financeiramente significa à quantidade de informação que utemos para saber se relacionar com o nosso dinheiro.

Saúde financeira: saber praticar a educação financeira, ou seja, de que maneira devemos administrar nosso dinheiro.

A saúde financeira e educação financeira caminham de mãos dadas, porque uma impacta a outra, uma é decorrência da outra

O que fazer para resolver problemas financeiros?

Não há bem que sempre dure, nem mal que nunca se acabe

Conseguir equilibrar as finanças, pagar todos os débitos, conseguir limpar o nome (se for o caso), ter novamente nome bom no mercado.

É possível conseguir? Sim, todos nós iremos conseguir.

Ainda que seja difícil e, talvez, demorado, é possível sim.

Para isso é preciso também

. saber direitinho qual é a causa do endividamento,

. conhecer o valor total da sua dívida,

. saber quais são os credores,

Técnicas para evitar gastar seu dinheiro

. deixar seu cartão em casa,

. sair com uma quantidade limitada de dinheiro,

. cancelar os demais cartões de crédito,

. não entrar em lojas e estabelecimento que podem levar ao desejo de compras,

. criar novos hábitos,

. entender o que é finanças,

. aprender sobre educação financeira,

. criar metas para guardar dinheiro,

. ter confiança e estima,

. ter organização.