Finanças: quais são os tipos e como realizá-las?

Publicidade

Atualizado: 14 setembro de 2021 às 16:47
Publicado: 10 setembro de 2021 às 15:36
Você sabia que há vários tipos de finanças? Ficou curioso? Continue lendo esse post para ter todas as informações necessárias.

Você sabia que há vários tipos de finanças? Cada tipo foca em utilizar melhor o dinheiro em diferentes contextos. Seja de forma individual ou na gestão de uma empresa, saber lidar com as finanças é crucial!


Publicidade

Continue lendo e entenda mais sobre cada tipo e como se educar financeiramente!

Quais são os tipos de finanças?

Cada tipo de finança foca em uma área específica, de modo a maximizar o bem-estar e/ou os ganhos dos envolvidos.

Finanças pessoais

O primeiro tipo de finanças é o que todos estamos acostumados, mas que pouco cuidamos: as finanças pessoais.

Muitas vezes a administração financeira pessoal é deixada de lado por vários motivos, além das ideias de “só se vive uma vez” prejudicarem uma boa relação com o dinheiro.

Assim, educar-se financeiramente não é sinônimo de se privar daquilo que lhe traz prazer e bem-estar. Na realidade, ser financeiramente inteligente é saber maximizar seu prazo e bem-estar, mas de olho no longo prazo, isto é, não sacrificar seu futuro para ter algo somente no presente.

Em suma, ter consciência de suas finanças pessoais é fundamental para desenvolver e manter uma qualidade de vida.

Finanças familiares

Também vista como uma subdivisão das finanças pessoais, as finanças familiares buscam gerenciar o dinheiro da família. 

Para quem mora com o parceiro e/ou tem filhos, entender sobre finanças familiar é importante para garantir que todos tenham seus objetivos realizados. 

A diferença entre as finanças pessoais e familiares é o nível de complexidade. Isto porque quando se tem dependentes e cônjuge envolvidos, é preciso levar em consideração os desejos e objetivos dessas pessoas. Bem como os gastos compartilhados, como a moradia, plano de saúde, entre outros.

Finanças Públicas

As finanças públicas, como o nome indica, refere-se a administração financeira dos órgãos públicos, como prefeituras e secretarias.

Nesse tipo de finanças o foco é no destino do dinheiro público (impostos e taxas pagos pela população). Assim, essa área aborda desde a captação, gestão e gasto do dinheiro público.

Finanças empresariais

Por fim, as finanças empresariais são um dos assuntos mais importantes para quem possui um negócio próprio. Afinal, uma boa gestão financeira é crucial para garantir que o negócio dê lucro e cresça.

Assim como cuidamos das finanças pessoais, nas empresas também é preciso cuidar das receitas, investimentos e despesas.

Contudo, diferentemente das empresas, é importante destacar que as finanças pessoais possuem o foco em maximizar seu bem-estar. Dessa maneira, nem todas as decisões com seu dinheiro serão racionais e pensando em reduzir gastos.

Dentro das finanças empresariais, há quem divida ela em dois: empresarial e corporativa. Assim, as finanças empresariais buscam aumentar os rendimentos dos sócios ao mesmo tempo que reduz os riscos. Enquanto as finanças corporativas visam cuidar dos lucros, investimentos e despesas dos negócios.

Apesar de parecidos, esses dois tipos possuem focos diferentes. Isto é, o primeiro tem foco em maximizar o ganho do sócio, enquanto o segundo busca a sustentabilidade do empreendimento.

Como se educar financeiramente?

Busque conhecimento através dos livros e cursos

Em primeiro lugar, buscar livros e cursos é essencial para conseguir se educar financeiramente. Atualmente também é possível conseguir se educar através do Youtube e artigos de blogs.

Aliás, a internet possui um amplo acervo de assuntos para você aprender sobre finanças, desde as pessoais até as finanças empresariais. Dessa maneira, tire proveito da internet para solucionar suas dúvidas e ser financeiramente consciente.

Vale destacar que esse é um processo ativo, ou seja, tornar-se um bom gestor do seu próprio dinheiro não virá da noite para o dia se você não buscar proativamente estudar mais e mudar seus hábitos.

Avalie sua situação financeira atual

Para cuidar das finanças, primeiro é necessário entender sua situação. Do contrário, é a mesma coisa que andar na floresta de olhos vendados.

Assim, entenda quanto se ganha por mês, quais seus gastos fixos e variáveis e seus objetivos e quanto eles custam.

Mapeando tudo isso, você será capaz de analisar o que pode ser cortado ou reduzido, quanto você precisa poupar por mês para atingir seus objetivos e quanto você precisa ter para uma reserva de emergência.

Comece aos poucos

Seja qual for o tipo de finanças, o número de assuntos é quase infinito. Portanto, comece aos poucos, estudando aquilo que seja mais prioritário para você no atual momento.

Por exemplo, se está com dívidas, o ideal é buscar aprender sobre as formas de negociação de dívidas, parcelamentos e refinanciamentos. Além de entender sobre planejamento financeiro para que você tenha um plano de ação para quitar as dívidas.

Por outro lado, alguém que não tem dívidas, mas tem dificuldade para poupar, é importante conhecer técnicas que tornem isso possível. Além de aprender sobre investimentos, começando por aqueles mais simples e conservadores, como o Tesouro Direto, para fazer seu dinheiro render.

Entenda seu ritmo e foque na sua jornada

Algo muito importante de se ressaltar é: não se compare com as outras pessoas. Especialmente na era da vida perfeita do Instagram, é fácil se ver pensando que está no caminho errado ou atrasado na vida.

Contudo, entenda que todo mundo tem sua própria trajetória. Assim, você não está atrasado nem adiantado em relação a ninguém. Foque na sua própria jornada e naquilo que te faz feliz, evitando se comparar com a vida dos outros.

Cuidar das finanças não se resume a gastar menos e ganhar mais

Nem sempre a resposta para uma vida mais feliz e financeiramente saudável é ganhar mais e gastar menos. Na verdade, o segredo das finanças pessoais está em como você gasta seu dinheiro.

Claro, dependendo da sua situação financeira atual e seus objetivos, ganhar mais dinheiro é necessário.

Contudo, para quem já possui uma renda suficiente, saber gastar e encontrar maneiras inteligentes de utilizar o dinheiro é mais importante do que ficar só pensando em reduzir gastos e trabalhar mais para ganhar mais – na realidade, isso pode ser a receita da infelicidade!

Em suma, busque bastante conhecimento, entenda sua situação e foque naquilo que te traga mais felicidade e satisfação, de modo que isso seja sustentável, ou seja, não sacrifique seu futuro por prazeres momentâneos no presente.

Mais Opções

Cartão Torra Torra: saiba solicitar seus benefícios

Próximo Cartão

Cartão Avenida: o que é e como funciona?

Mais opções para você

Buscando cartão

0